Se você diz essa frase ao jogar RPG, você pode ser um jogador problema

Você alguma vez já se justificou num jogo de RPG com a frase “Isso é o que o meu personagem faria”?. Se respondeu sim, você pode ser um jogador problemático que atrapalha o resto do grupo.

Você quer ser um jogador melhor? Neste post eu vou explicar porque isso costuma ser um problema, e como resolver a situação.

Nós costumamos ser egoístas, então sempre é difícil entender quando nós é que somos o problema. O problema são os outros, não é?

Nós precisamos olhar mais como as nossas ações estão afetando o resto do grupo.

Quando a gente joga RPG, é legal interpretar seu personagem e fingir por um momento que você é outra pessoa, com outras habilidades, num outro mundo. Mas quando acaba rolando de ter um jogador problema no grupo, isso pode acabar com a diversão de todos.

Um bom jeito de perceber que você é um jogador problema é que você justifica suas ações dizendo algo como “isso é o que o meu personagem faria”.

Antes de prosseguir, eu e você precisamos estabelecer qual é o principal objetivo do RPG. Esse objetivo é o mesmo dos jogos de tabuleiro. Não é interpretar, não é ser desafiado, não é criar uma história. Existe um objetivo maior acima disso tudo.

O maior objetivo do RPG é divertir.

Sim, queremos superar desafios, queremos interpretar personagens heroicos, etc, mas a prioridade número um é a diversão. Nada está acima da diversão.

Eu me refiro à diversão do grupo inteiro, não de apenas uma pessoa. Não precisa ser diversão do tipo contar piadas. Existe diversão em ficar assustado, ou num drama que te deixa tenso.

Qualquer outro objetivo do seu jogo tem que ser pensado de forma que não viole essa premissa básica.

Concorda comigo até aqui?

Tendo isso me mente, acho que é justo dizer que se você toma atitudes que vão diminuir (ou até arruinar) a diversão do grupo, você está errado.

Sinto muito, mas é a verdade. Eu vou dizer de novo pra isso entrar na sua mente: Nada está acima da diversão do grupo. É pra isso que seus amigos (ou desconhecidos, no caso de eventos) separaram algumas horas do dia pra se sentarem ao redor de uma mesa com você.

Seu personagem é um ladrão que adora roubar coisas? OK, mas não vá roubar todo o equipamento dos outros jogadores enquanto eles dormem. Principalmente em jogos onde alguns personagens dependem desse equipamento para serem úteis.

Personagem RPG

Tem tanta coisa que você pode fazer com um ladrão sem acabar com a diversão das pessoas. Roube de personagens do mestre. Roube de vilões. Ou então nem faz um personagem que rouba o tempo todo, sei lá.

Faça tudo, menos acabar com a diversão das pessoas ao seu redor. Isso vale pra personagens que matam os personagens de outros jogadores também. Você realmente precisa destruir o personagem de alguém (e a história que vinha com ele) pra se divertir com seu personagem?

É por isso que eu digo que “isso é o que meu personagem faria” não é uma boa desculpa.

Se você está diante de uma situação em que seguir a personalidade do seu personagem vai acabar com a diversão dos outros, dane-se o seu personagem.

Sério.

Tome a decisão que o seu personagem não tomaria, mas não impeça seus amigos de se divertirem com você.

Você já viu filmes de super heróis em que eles brigam entre si? Essas brigas sempre acontecem em momentos em que isso vai aumentar o drama, e eles nunca matam uns aos outros.

Porque os roteiristas sabem que isso estraga uma história. Que isso torna as coisas menos legais.

Backstabbed

Eu já li em fóruns umas histórias horríveis.

Já li sobre um guerreiro que ficou pendurado num penhasco. Ele pediu ajuda e o que o outro personagem fez? Esticou a mão. Pra ajudar ele a subir? Não. Pra pegar a bolsa do personagem que estava pendurado e catar tudo que tinha de valor, enquanto o outro lutava para não cair para a morte. No meio de uma aventura.

Já passou por situações semelhantes?

Pior ainda, você já foi responsável por situações assim?

Se você é um jogador que faz isso, já parou pra pensar que você pode estar arruinando a diversão de uma pessoa que tirou o dia pra ir jogar um jogo com você?

Compartilhe abaixo se você tem um jogador problema:

Vou contar uma história boa que ouvi uma vez.

Um jogador entrou num grupo de outros 3 jogadores, então ele criou um personagem que era um ranger mercenário solitário. O ranger foi contratado pelo grupo dos personagens dos jogadores.

Em um conflito algumas sessões depois, todos os heróis foram derrotados em combate menos o ranger. Ele poderia ter roubado os itens do grupo e deixado eles pra morrer. É o que o personagem faria (afinal, ele é um mercenário solitário sem amigos). Mas isso ia acabar com a diversão dos outros, então ele tomou outra decisão.

O jogador do Ranger disse que ele faria os primeiros socorros pra salvar a vida dos outros. Quando eles acordaram, muitas horas depois, o ranger chegou perto do líder do grupo e falou “Vocês me devem a vida. Um dia eu vou cobrar o favor e vocês vão me ajudar, sem fazer perguntas”.

Várias sessões depois, essa cobrança do favor foi a semente de uma nova aventura na campanha.

Esse sim é um bom jogador, pra mim. Ele não foi 100% fiel ao que o personagem dele faria, mas dane-se ser completamente fiel. Nós estamos no controle, não os personagens.

Então dá sim, pra fugir da atitude que seu personagem tomaria, sem fugir completamente da personalidade dele. E dá também pra não ser escroto com quem dedicou tempo pra jogar com você.

Da próxima vez que você fizer algo e for se justificar com uma frase do tipo “isso é o que meu personagem faria”, pare pra pensar no que você está fazendo.

Pense seriamente se você está aumentando a diversão de todos ao seu redor.

Se a resposta for não, pense qual é a sua prioridade: é ser fiel a um personagem escroto, ou ter um dia muito divertido compartilhando um hobby com outras pessoas?

 

PS: Você tem histórias de horror com jogadores problema? Se tiver, deixe aí nos comentários. Estou reunindo essas histórias pra um post sobre o assunto.

Readers Comments (3)

  1. Matheus Beraldo 7 de maio de 2016 @ 19:45

    Faz um post sobre jogadores hiper chatos como no ex: “O meu cara ‘e um ninja com um arco e espada de fogo e tem um ataque que mata todos os que eu quero” (sim, ja vi um cara assim)

    Responder
  2. Cara, deixe-me te contar uma história minha. Eu sou mestre de CoC ( Call of Chtulhu, e tenho uma mesa virtual.

    Eu sou conhecido pelo pessoal do meu grupo de RPG ( que junta algumas dezenas de fanaticos pelo mundo inteiro, que a gente foi achando pelo caminho ) por ser um mestre “mal”, mais porque eu nao alivio pro lado dos jogadores do que ser realmente um cara ruim. ( Mas ninguem mandou o cara abrir a porta que eu *avisei* que guardava uma perigo mortal. :v )

    Uma vez eu ja sofri com um jogador problematico.

    Ele tinha feito um militar, que resolvia tudo na base da pancada e troca de tiros. Porem, em CoC, nem sempre é util, as habilidades de combate ( eu considero elas as mais fracas, por um fato ).

    Uma vez, lutando contra um Deus Menor, fruto de um culto maligno. Ele decidiu atirar na cabeça dos cultistas para parar o monstro, e teve um sucesso, ja que sua habilidade com armas é media-alta. Porem, em CoC, nao tem nada que diz se ele vai ou nao voltar pra onde ele veio, e eles simplesmemte seguiram a luta.

    Ele ficou com aquela cara de quem nao gostou, mas aceitou. O Deus, agora descontrolado, foi, entao, derrotado pela engenhosidade de um outro personagem, que decidiu cortar a corda de um lustre e matar o Deus.

    Porem, o lustre esta atras do monstro, e o Sneak ( Esgueirar ) dele era baixissimo. Porem, ele foi e conseguiu um 01 no dado ( o melhor possivel, em CoC 5.6 ). Por seu incrivel sucesso, eu dei a ele um “Check”, pra aumentar sua habilidade de Sneak.

    O outro cara nao gostou nem um pouco, e rolou no dado para atirar na cabeca do personagem que ganhou a luta e acertou, deixando ele com 1 de HP ( inconsciente, ele so nao morreu porque a constituição dele era alta e a arma era fraca ). Mesmo com certo desgosto, eu nao posso dizer que um tiro na cabeca nao afetaria em nada o personagem, e ele ficou deficiente mental.

    Em off, eu perguntei porque ele iria fazer algo assim, a resposta dele foi ” porque meu personagem odeia perder” e nunca mais apareceu nem na minha mesa nem no grupo.

    Responder
    • Haha, meus pêsames por ter passado por isso.

      Dá pra gente imaginar que com essa última frase, o significado real é “EU odeio perder”.

      Eu acho que tem jogador que até dá pra consertar. Alguns chegam no RPG ainda com uma ideia de jogo que dá pra ganhar ou perder. Até dá pra tornar o RPG um jogo de “vencer”, D&D dá pra ser usado assim muito bem.

      Mas o problema é quando o resto do grupo não está nessa vibe. Nesses casos, conversa e algum tempo convivendo com jogadores mais experientes costuma resolver.

      Mas tem esses outros casos onde o problema é a personalidade do jogador. Onde não importa o que ele faça, ele nunca vai se encaixar direito no resto do grupo.

      O pior é que isso vai diminuindo a diversão de todos os outros, e ter que ser resolvido logo, antes que jogar se deixe de ser uma atividade divertida.

      Sorte a sua que o jogador parou de vir. Evita o problema de pedir pra ele não voltar mais.

      Responder

Deixe uma resposta